quinta-feira, agosto 18, 2011

 Aprendizagem X Transtornos + Distúrbios + Dificuldades

         1- Estabeleça a diferença entre distúrbio, transtorno e dificuldade de    aprendizagem:
É preciso levar em consideração primeiramente sobre os estudos diversos realizados sobre transtornos, distúrbios e dificuldades de aprendizagem que são apresentados para consulta em livros, revistas, internet e outros. Há várias tendências e até supostamente contradições quanto ao conceito dos fatores que conduzem ao baixo rendimento ou nenhum  em relação à aprendizagem.  Acredito que todos se assemelham, pois envolvem  o cérebro e o sistema nervoso central, que  são, com certeza, peças fundamentais para o desenvolvimento cognitvo, afetivo e social do sujeito. Quando há lesões no cérebro, há a interferência e o comprometimento para o aprendizado. Quando há o mau desenvolvimento do sistema nervoso central, há o mau desempenho para o aprendizado. 
Penso que os problemas para o aprender, em suma  são considerados  transtornos = distúrbios = dificuldades.

          2-Procure elencar e explicar diversos distúrbios de aprendizagem existentes, descrevendo as áreas atingidas por lesões cerebrais:
São inúmeros, mas é possível falar um pouco sobre os mais comuns:
A - O mais divulgado é a dislexia, pode ser causada por fatores que vão desde hereditariedade até alterações nos cromossomos 6 e 15, alterações nos hemisférios cerebrais, passando pela anoxia perinatal, que pode causar a dislexia.

Portanto é distúrbio grave que precisa de avaliação e tratamento multidisciplinar ou seja, envolvendo várias áreas e precisa deixar de ser banalizado como ocorre agora, quando qualquer indivíduo que troque letras pode ser diagnosticado como disléxico, sendo que a verdadeira dislexia não faz trocar letras. O cérebro do disléxico não identifica nem codifica os sinais gráficos que caracterizam as letras, portanto seu cérebro sequer sabe o que vem a ser letra, por isso tanta dificuldade na aquisição da leitura e escrita.

B- Disgrafia: É a dificuldade ou ausência na aquisição da escrita. O indivíduo fala, lê, mas não consegue transmitir informações visuais ao sistema motor, resumindo lê, mas não escreve, além de ter graves problemas motores e de equilíbrio. Na maioria dos casos, está ligado a distúrbios neurológicos.
C- Desordem de déficit de atenção: Geralmente não tem ligação com disfunções neurológicas e não deve ser confundida com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, este deve ser tratado pela psiquiatria. O DDA caracteriza-se por baixo desempenho escolar, deficiência ou ausência de memória ou ainda tendo aprendizado satisfatório, o indivíduo pode ser disperso, desatento, meio alienado ou alternando hiperatividade com alienação. O Transtorno difere-se porque o indivíduo está hiperativo 24 horas por dia. O tratamento, entre outras atividades, inclui jogos de memória, xadrez, ditados aliados a objetos, nunca só auditivos. O tratamento clínico é multidisciplinar.
D- Discalculia: É distúrbio neurológico com causas diversas, que envolve o orgânico e psiconeurológico. Pode ser causada pelos fatores já descritos e caracteriza-se pela dificuldade ou incapacidade para reconhecer e codificar sinais numéricos/geométricos e total inabilidade para quaisquer cálculos matemáticos. Neste caso, é preciso distinguir o distúrbio das falhas do ensino, pois os métodos usados pela maioria das escolas é totalmente ultrapassado e ineficaz.
E- Limitrofia: Anomalia do sistema nervoso causada por anoxia perinatal ou síndromes não identificadas. Caracteriza-se por dificuldades de concentração, falta de equilíbrio e/ou coordenação motora, problemas de articulação para fala e dificuldades na aquisição de leitura. Há também uma certa alienação, por vezes o indivíduo parece se bastar a si mesmo, não se relaciona com colegas, brinca sozinho e tem dificuldades em expressar-se.
F- Existe um distúrbio pouco citado e estudado que é a hiperlexia, contrário da dislexia: Crianças com aprendizado acelerado de leitura/escrita, podem até se auto alfabetizar e tornarem-se auto didatas, com excelente memória e capacidade para cálculos complicados. No entanto, quase sempre são hiperativas, têm dificuldades de relacionamentos, abandonam a escola tradicional muito cedo por não adaptarem-se aos métodos usados, têm mais facilidade no aprendizado cinestésico (experimentação) e apresentam impaciência, impulsividade, agressividade, incapacidade para prestar atenção a qualquer ensinamento. Ao contrário do que os pais imaginam, terem produzido um gênio, devem conscientizar-se de que este tipo de criança precisa de tratamento tanto quanto a criança disléxica.
G- Afasia é  perda parcial ou total da capacidade de linguagem, de causa neurológica central decorrentes de AVC(Acidente Vascular Central), lesões nas áreas da fala e linguagem. Só se tem afasia quando há comprometimento do hemisfério cerebral esquerdo,pois a área da linguagem encontra-se somente no lado esquerdo. Afasia motora de Brockat (não consegue falar porém escreve).Afasia de compreensão (consegue falar a palavra mas não lhe atribui um sentido, um significado).Afasia de expressão de Wernes (a palavra está no registro mas não consegue articulá-la).
H- Dadilalia é fala muito lenta. Apresenta-se em quadros funcionais do Sistema Nervoso, associados à deficiência mental ou a quadros de distúrbio funcional sem deficiência (nas dificuldades de desenvolvimento – hiperatividade).
I- Disfasia é fala atrapalhada, onde o ritmo é prejudicado. O fonema é pronunciado de forma truncada, sem compreender o sentido.
J- Dislalia é a troca de letras, mas entende-se o sentido.
L- Anusia é o distúrbio funcional entre o equilíbrio do sistema piramidal que localiza-se no lobo temporal com os núcleos da base(audição e cerebelo). Tem dificuldade em adquirir ritmo, tendo com isso dificuldade na aquisição da leitura

Descreva as áreas atingidas por lesões cerebrais que prejudicam a aprendizagem:
As áreas atingidas por lesões cerebrais que prejudicam a aprendizagem referem-se às áreas dos lobos frontais, temporais, parietais  e occipitais. Nos últimos 10 anos cresceu muito o interesse pelas funções do lobo frontal. É nesta parte do cérebro que se encontra a diferença entre os seres humanos e seus antepassados na evolução. Apesar de serem as maiores partes do cérebro humano, o lobo frontal direito e esquerdo é  também um local misterioso e desconhecido até recentemente. Agora se sabe que é no lobo frontal que se situam as habilidades humanas mais complexas, como o planejamento de ações seqüenciais, a padronização de comportamentos sociais e motores, parte do comportamento automático emocional e da memória.O pensamento abstrato também fica no lobo frontal.Os lobos frontais que amadurecem mais lentamente podem provocar alterações tanto à memória como às funções de planejamento.Quando os hemisférios direito e esquerdo do  cérebro são cotejados com a recuperação de pacientes lesados na infância, há considerações importantes a fazer. Por um lado, se sabe que um paciente com uma lesão do hemisfério esquerdo, responsável pela linguagem, pode compensar suas perdas lingüísticas por intermédio do hemisfério direito. A plasticidade funcional acarreta esta recuperação. Apesar desta compensação no plano lingüístico, o paciente poderá a apresentar problemas de ordem espacial. A explicação para este fato é que, ao compensar a função da linguagem, o hemisfério direito, responsável pelas relações espaciais, não apresentará mais condições de bem desempenha-las, uma vez que se ocupou de outras tarefas. Diferentemente das outras regiões do cérebro,os lobos frontais impressionam pela complexidade de sua anatomia. Ocupando mais de um terço do córtex cerebral humano, apresentam diversas unidades anatômicas que mantêm conexões distintas com todas as regiões corticais e subcorticais do sistema nervoso, bem como relações  de reciprocidade entre estas regiões. Algumas destas conexões se dão com outras estruturas do neocórtex através de aferências e eferências das áreas associativas dos lobos temporais, parietais e occipitais, sobretudo com as áreas de convergência multimodal. Há também conexões com a região pré-motora e dessa forma, com o córtex motor. Encontram-se, também conexões de grande importância com o córtex límbico do giro do ângulo e com as estruturas subcorticais límbicas e motoras. Além das conexões subcorticais com o hipotálamo, amígdala, hipocampo, tálamo e outras regiões, os lobos  frontais recebem projeções do córtex visual, auditivo, sômato-sensorial e olfatório. Destacam-se também as projeções intracorticais do lobo frontal. Assim, a  função frontal representa um papel de integração da atividade mental, bem como do controle da atenção. Está envolvida com o planejamento e com as habilidades sociais, o que é facilmente percebido nas lesões desta área, as quais se associam, muito freqüentemente, a comportamentos despidos de responsabilidade e socialmente grosseiros. Atualmente a integração frontal com outras partes do cérebro tem sido mais pesquisada sob outros ângulos. Lockwood revela que as funções cognitivas específicas e de alto nível, revelam, genericamente falando: compreensão e pensamento, são geralmente atribuídas aos lobos temporais e parietais, uma vez que o hemisfério esquerdo, especialmente certas regiões da fronteira têmporo-parietal, é tido como responsável pela linguagem. Por sua vez, as áreas correspondentes no hemisfério direito parecem principalmente relacionadas às tarefas visuais e viso-espaciais.

          O professor necessita ter uma atuação frente a um aluno diferente. Quais deveriam ser suas ações?
             As ações de um professor frente a um aluno diferente poderiam ser:
Ø respeitar as dificuldades do aluno e seu ritmo de aprendizagem;
Ø evitar expor a criança aos demais colegas em situações de competição, encenações,
leitura ou escrita, quando este apresentar dificuldade para ler ou escrever;
Ø evitar comparações com os alunos que não apresentam dificuldades para aprender;
Ø evitar que os alunos  ou o próprio professor criem rótulos, conforme a dificuldade do aluno;
Ø conversar muito com o aluno e expor que toda dificuldade apresentada pode ser superada e que ele, professor, está para auxiliá-lo durante todo as aulas;
Ø valorizar o que o aluno sabe para elevar a sua auto-estima e acreditar que pode aprender;
Ø apresentar vários estímulos para que o aluno encontre o melhor caminho para o seu aprendizado;
Ø variar as técnicas usando muito criatividade(a didática) para ensinar o aluno;
Ø observar muito o aluno em sala;
Ø solicitar encaminhamento aos pais ou aos especialistas da escola (orientador,supervisor) para outros profissionais que forem necessários;
Ø estar em contato constante com os pais;
Ø amar o que faz para criar vínculo positivo com o aluno.

            A família deve desempenhar um papel junto ao sujeito que apresenta distúrbio ou dificuldade de aprendizagem. Qual deverá ser ele?
Uma atitude bastante positiva é integrar-se à vida escolar da criança, acompanhando as lições de casa, atividades, aliás esta deve ser a atitude correta de qualquer pai ou mãe, independente de apresentarem distúrbios. E sempre deixando claro que também tiveram dificuldades quando pequenos, que ninguém nasce sabendo e que, com um pouco de esforço, é possível acompanhar os ensinamentos na escola e na vida. A família deve ainda dar atenção ao indivíduo com distúrbio sem sufocá-lo, sem esquecer-se de outros membros da família. Viver em comunhão de forma que todos apóiem todos e nunca tratando o indivíduo com distúrbio de aprendizagem como se fosse um deficiente inútil, primeiro porque estes distúrbios não são impedimentos para uma vida normal, segundo porque nem os deficientes graves devem ser tratados como inúteis. Cabe à família integrar o indivíduo ao máximo dentro e fora de casa, pois é um indivíduo normal, apenas tem dificuldade em um ou outro segmento da aprendizagem. Ao invés de se lamentar, a melhor forma de administrar é incentiva-lo às artes e esportes que, além de auxiliá-lo no desenvolvimento de coordenação motora e no aprendizado de forma geral, ainda abrirão possibilidades de carreiras.

(...) Os problemas de aprendizagem não são restringíveis nem as causas físicas ou psicológicas, nem análise das conjunturas sociais. É preciso compreedê-los a partir de um enfoque multidimensional que almagame fatores orgânicos cognitivos, afetivos, sociais, tanto quanto a análise, as ações sobre os problemas de aprendizagem devem 
inserir-se num movimento mais amplo de luta pela transformação da sociedade.

Acredito que há uma chance para todos enquanto seres humanos. Acredito que aonde há vida, há uma uma razão para existir.
Acredito que independente de fatores intrínsicos ou extrínsicos ao ser humano, há uma chance de vida, há o que fazer, o que aprender para si mesmo e para compartilhar com o outro. Vivemos em sociedade. Vivemos com diferenças. Vivemos com a certeza que todos sabemos algo e que podemos fazer algo  bem feito. Acredito que a educação deve sempre investir em seus profissionais para auxiliar no desenvolvimento e crescimento do aluno e que possa possibilitar cada vez mais o seu próprio  aprendizado com prazer, com descoberta, com motivação, com superação e que vale a pena acreditar em si e no outro. Que pode-se construir um caminho mais ampliado de recursos  e de muita vontade para viver de bem consigo mesmo e  com o outro. Que se pode encontrar alternativas para quem ensina e para quem aprende, fazer da escola um lugar de prazer em aprender e viver, que a vida sempre nos leva a aprender, com ou sem problemas. E ressalto que as palavras abaixo descritas formam uma bela mensagem para cada um de nós  e é uma bela resposta para o questionamento acima:
"O ser humano vivencia a si mesmo, seus pensamentos como algo separado do resto do universo que o cerca - uma espécie de ilusão de ótica de sua consciência, moldado pela cultura. E essa ilusão é um tipo de prisão que nos restringe a nossos desejos pessoais, conceitos e ao afeto por pessoas mais próximas. Nossa principal tarefa é a de nos livrarmos dessa prisão, ampliando nosso círculo de compaixão, para que ele abranja todos os seres vivos e toda a natureza em sua beleza. Poderá ser que ninguém consiga atingir plenamente esse objetivo, mas lutar pela sua realização já é por si só parte de nossa liberação e o alicerce de nossa segurança interior". (Albert Einstein)    

(Trabalho Acadêmico em Psicopedagogia)
Rosangela Lucineia Scheuer
Joinville / Setembro de 2000
     

quarta-feira, agosto 17, 2011

Educar começa em casa!



EDUCAR CRIANÇAS É TAREFA DA FAMÍLIA.

Não há receitas prontas e nem milagrosas.
Há sempre, na maioria dos casos, boa vontade em querer acertar na educação das crianças.
Valer-se de dicas, relato de experiências bem sucedidas e tentar realizar na prática, pode trazer bons resultados. O importante é tentar e fazer acontecer  numa educação de qualidade. Segue em anexo, algumas dicas que considero relevantes e significativas.


Retirei da postagem Projeto Infância
Espero que possa contribuir. Confira!
                                                         (Rosangela L. Scheur Vali)

Educar crianças...alguns passos que podem dar  certor!
O ideal é que a criança adormeça sozinha; os pais não devem permanecer no quarto dos filhos até dormirem. Também é essencial que durmam em seu próprio quarto. Devem ter um horário fixo para ir à cama.  Crianças de 6 a 8 anos devem ter 11 horas de sono por noite. De 9 a 11 anos devem ter 10 horas e de 12 anos ou mais 9 horas de sono. Procure incentivar seu filho a fazer atividades tranqüilas como ler, escrever em diário, escutar uma estória. Nada de televisão ou brincadeiras agitadas.
 Sempre que precisar chamar atenção, dar uma bronca, ou alguma instrução, abaixe e fique “cara- a cara” com a criança. Vá até a criança quando precisar falar com ela. Não adianta gritar quando estiver longe. Ela somente irá parar de fazer o que estiver fazendo se você pessoalmente intervir em sua atividade.
O ideal para o castigo é que a coloque em algum lugar onde não possa realizar atividades e mostre em um relógio o tempo que ficará de castigo. Quanto menor a criança menor o tempo.
 
A criança precisa aprender a guardar seus brinquedos. Avise antes de espalhar que assim que acabar a brincadeira ela terá que guardá-los. Se for uma criança pequena você podeajudá-la nesta tarefa. Jamais peça para o irmão mais velho juntar a bagunça do mais novo. 
 É de fundamental importância que os pais tirem pelo menos 20 minutos de seu dia, ou um período maior no final de semana para brincar, escutar seu filho. Você pode escolher o momento em que estiver fazendo algo que te agrade mais, como jogar uma bola, ou assistir um desenho.


 É de fundamental importância que criança conviva com outras crianças o máximo possível.  Criança precisa aprender a ser criança, e não a ser gente grande. É necessário compreender o mundo infantil e não tratar seu filho como um adulto em miniatura.
 Deixar seu filho sem fazer algo que goste com a intenção de castigá-lo, não é a maneira ideal . Desta forma, aprenderá a fazer a sua obrigação em troca de alguma outra coisa ( estudar para poder jogar vídeo-game). O sentido do castigo se perde, e ela aprende a obedecer somente em troca de algo. Castigo prometido deve ser cumprido à risca. Portanto, NUNCA diga que colocará a criança de castigo se continuar fazendo algo errado, se não estiver realmente com a intenção de colocá-la. Ameaçar e não cumprir faz com que suas palavras percam a credibilidade.


 Toda criança deve seguir uma rotina. Ter horários para se alimentar, brincar, fazer tarefas, fazer esportes, usar o computador, TV , vídeo- game, etc.

A criança precisa ter um horário estabelecido para usar o computador. Não pode passar todo o seu tempo livre em frente ao computador ou à televisão. Criança também PRECISA brincar longe dos eletrônicos.

 A alimentação também deve ter seus horários pré-estabelecidos. A criança não deve passar o dia comendo sempre que desejar.
Para as crianças pequenas que demonstram –se sem apetite, tente enfeitar o prato de forma lúdica, ou contar estorinhas, tornando o momento 
   da refeição prazeroso.

Na hora das tarefas de casa, o ideal é que os pais apenas ajudem as crianças com as suas dúvidas, não sendo necessário que fiquem o tempo todo sentado ao seu lado enquanto realizam suas atividades escolares.

 Para educar não é necessário intimidar, passar medo ou ser autoritário com a criança.  Deixá-la com medo não significa respeito. Para ganhar o respeito de seu filho, converse muito e sempre se abaixe para orientá-lo.

terça-feira, agosto 16, 2011

Autoestima começa cedo!



Razão e emoção, os fundamentos da autoestima

   Sugere-se recordar sobre o principal significado da autoestima. É a confiança na eficiência da nossa mente, em nossa capacidade de aprender, de fazer escolhas e tomar decisões apropriadas e lidar com mudanças.
   Acredita-se na existência de duas mentes. Uma que se emociona, sente, comove, adapta. Outra que compreende, analisa, pondera, reflete.
   O psicólogo Goleman (1995) após intensa pesquisa científica, afirmou que se é impulsionado pela emoção, cujo controle é essencial para o desenvolvimento da inteligência do indivíduo.
    A emoção está para a razão assim como o prazer está para o aprendizado.
  A autoestima é a ferramenta que movimenta os estímulos para gerar bons resultados.
     A autoestima exige assertividade.

A construção da afetividade  à  autoestima segundo Henri Wallon

        O modelo de análise ao pensar o desenvolvimento humano, foi desenvolvido por Wallon (1981) que estudou-o a partir da ênfase dada ao desenvolvimento psíquico da criança Wallon (1981) realiza um estudo que é centrado na criança contextualizada, onde o ritmo no qual se sucedem as etapas do desenvolvimento é descontínuo.
       Wallon (1981) propõe a psicogênese da pessoa completa, ou seja, o estudo integrado do desenvolvimento considera o sujeito como “geneticamente social” segundo ele é preciso  estudar a criança contextualizada  observando os aspectos: afetivo, motor e cognitivo.

              Apresenta as fases de desenvolvimento psíquico da criança:
                                                       
-Personalista: inicia no primeiro ano de vida pela interação com os objetos e seu próprio corpo e no terceiro ano de vida inicia o conflito eu-outro, 
onde se opõe a tudo que julga diferente e que venha do outro.
-Socialização:compreende o período dos seis aos sete anos, onde a educação se torna obrigatória. Não pertence mais unicamente ao grupo familiar. Começa a fazer parte  de grupos diferentes.

No caso da criança, no qual entre ela e o objeto a conhecer existe um mediador, geralmente na pessoa de um adulto que ensina, a calidez da veiculação afetiva entre eles catalisa poderosamente a reação que resulta na apreensão do objeto pelo sujeito (DANTAS, 1990).

         Percebe-se  que é fundamental lembrar da disciplina como necessária para se evitar as futuras perturbações de caráter, mas que tem, na sala de aula, um espaço adequado para ser trabalhada.
     É equivocado pensar em um padrão de postura que garanta toda atenção em qualquer atividade, pois, muitas vezes, é a variação na posição do corpo que propicia melhor e maior atenção na atividade que a criança está realizando. Percebe-se que, ao longo do desenvolvimento da criança, que uma série de fatores contribuem para sua formação enquanto ser social.

        ...Refletindo...

v   Acredita-se que a maioria dos professores quer dar sua contribuição  positiva às mentes confiadas a seus cuidados.

v   Se às vezes prejudicam, não têm intenção de fazê-lo.

v   As crianças observam seus professores em parte para aprender o comportamento adulto apropriado.

v   Considera-se que a aprendizagem ocorre com o que  é vivido.

v   Para estimar-se é preciso que se tenha sido aceito, querido e valorizado. 

v   A autoestima é algo que pode ser aprendido.

     Recomenda-se não como um receituário, mas como um roteiro de sugestões, para compreender  que a criança  sente-se amada quando:
    -Precisa de consolo e encontra braços abertos: mãos que lhe acariciam o joelho ferido ou enxugam suas lágrimas, quando está triste ou de mau humor;
          -Ouve uma história aconchegada no colo, recebendo carícias;
          -O tom de voz lhe é agradável e suave, produzindo-lhe um ambiente sereno e sem tensão. As frases ditas (“-Gosto de você!” “-Amo você”) talvez lhe sejam a melhor coisa;
          -Não é comparada a outra, mas se aceita como é (Quando preciso, diga-lhe que não aprova ou não gosta de certas coisas que ela faz, mas deixe claro que gosta sempre dela);
          -A criança observa o seu modelo, por isso procure sorrir sempre e cuidar do seu modo de agir diante dela
          -Procure ser justo;
          -Saiba dizer não, os limites devem ser colocados desde cedo;
         -Ofereça-lhe segurança e não lhe negue a mão. Que ela assim não tenha medo, face às novas experiências que lhe são propostas. Quanto mais coisas ela realiza, mais segura se sente.
         -Se necessário, não tema incentivá-la a brincar com outras crianças, fazendo com que se relacione com pessoas diferentes. E a frente destas, que nunca se sinta envergonhada, nem ridicularizada.


                  Texto de Rosangela L. Scheuer - 2001

Construir ou Plantar



Para VOCÊ,
com CARINHO!

Cada pessoa, em sua existência, pode ter duas atitudes:
Construir ou Plantar!
Os construtores podem demorar anos em suas tarefas,
mas um dia terminam aquilo que estavam fazendo.
Então param, e ficam limitados por suas próprias paredes.
A vida perde sentido quando a construção acaba.
Os que plantam sofrem com as tempestades,
as estações eraramente descansam.
Mas ao contrário de um edifício, o jardim jamais para de crescer.
E, ao mesmo tempo em que exige a atenção do jardineiro, 
também permite que, para ele, a vida seja uma grande aventura.


(De Brida – Paulo Coelho)                 






O que é o amor?


Esta foi a pergunta feita para um grupo de crianças de 4 a 9 anos, durante uma pesquisa feita por profissionais de educação e psicologia.

Emocione-se e divirta-se com as respostas!

“ Amor é quando alguém te magoa, e você, mesmo muito magoado não grita porque sabe que isso fere os sentimentos da pessoa “.  Mathew, 6 anos

“Quando minha avó pegou artrite, ela não podia se debruçar para pintar as unhas dos dedos do pé. Meu avô, desde então pinta as unhas para ela, mesmo quando ele tem artrite”.  Rebecca, 8 anos
“Amor é quando uma menina coloca perfume e o menino coloca loção pós-barba, e lês saem juntos e se cheiram”. Karl, 5 anos.


************************************************************
           
"Amor é como uma velhinha e um velhinho que ainda são muitoamigos, mesmo se conhecendo há muito tempo”.Tommy, 6 anos
           
"Quando alguém te ama, a forma de falar seu nome é diferente”. Billy 4 anos
           
"Amor é quando você sai para comer e oferece suas batatinhas fritas sem esperar que a outra pessoa te ofereça as batatinhas dela”. Chrissy, 6 anos

****************************************************************
           
"Amor é quando minha mãe faz café para o meu pai e toma um gole antes para ter certeza que está do gosto dele”. Danny, 6 anos

"Amor é quem está com a gente no natal”. Bobby, 5 anos

"Se você quer aprender a amar melhor, você deve começar com um amigo que você não gosta”. Nikka, 6 anos

******************************************************************
           
"Quando você fala para alguém algo ruim sobre você mesmo, e sente medo que essa pessoa não venha a te amar por causa disso, aí você se surpreende, já que não só continuam te amando,como agora te amam mais ainda! “. Samantha, 7 anos

"Há dois tipos de amor: o nosso amor e o amor de Deus. Mas o amor de Deus junta os dois”. Jenny, 4 anos

"Amor é quando mamãe vê o papai suado e mal cheiroso e ainda fala que ele é mais bonito que o Robert Redford!". Chirs, 8 anos

********************************************************** 

"Durante minha apresentação de piano, eu vi meu pai na platéia me acenando e sorrindo. Era a única pessoa fazendo isso e eu não sentia medo”. Cindy, 8 anos
           
"Amor é quando você fala para um garoto que é muito linda a camisa que ele está usando, e ele a veste todo dia”. Noelle, 7 anos

"Não deveríamos dizer eu te amo a não ser quando realmente o sentimos. E se sentimos, então deveríamos expressá-lo muitas vezes. As pessoas esquecem de dizê-lo". Jessica, 8 anos


**************************************************************    


"Amor é se abraçar, amor é se beijar”.Patty, 8 anos

           
"Quando você ama alguém, seus olhos sobem e descem e pequenas estrelas saem de você!". Karen, 7 anos

"Amor é quando seu cachorro lambe sua cara mesmo depois que você deixa ele sozinho o dia inteiro”. Mary Ann , 4 anos

*******************************************************************
Colaboração:Rosangela Lucineia Scheuer
Pós-Graduanda em Psicopedagoia – 13a Turma
Dezembro de 2002
Joinville/SC

Vale a pena conferir esta metodologia!


ALFABETIZAÇÃO NATURAL
Metodologia de alfabetização criativa, fundamentada nos princípios de educação através da arte, que consiste no oferecimento de estímulos sócio-ambientais específicos, que visam à reprodução do processo natural e espontâneo de construção dos esquemas de leitura no ser humano, que se dá através das motivações, potencial e linguagem do aluno, que inclusive escolhe o próprio vocabulário que servirá de base à aprendizagem.
A obra foi reeditada, revista e ampliada, apresentando maior e melhor detalhamento dos princípios psicológicos em que se baseia a metodologia, um maior número de sugestões de jogos, atividades de leitura, escrita e gramática e acrescenta um capítulo dedicado à avaliação do processo de construção da leitura e da escrita do aluno.




O VOCABULÁRIO DE APOIO
O Vocabulário de Apoio expõe as palavras escolhidas para estudo e ilustradas pelos alunos.
Ele cresce até que contenha todos os sons e letras do alfabeto.


g2.jpg (20086 bytes)
O SENTENCIADOR
Cada palavra nova escolhida vai imediatamente para o sentenciador, formando frases completas, que o aluno possa ler.
A composição e a leitura de frases no sentenciador é um trabalho diário, onde figuras devem substituir palavras desconhecidas a fim de não limitar a expressão de idéias do aluno às palavras já memorizadas.
g4.jpg (17180 bytes)



     O CADERNO VOCABULÁRIO
Cada palavra nova escolhida pela turma é escrita e arquivada no Caderno Vocabulário individual. Cada aluno faz a ilustração a sua maneira. O caderno é utilizado para estudo das palavrinhas e serve de apoio ao aluno durante a escrita de frases.
 LIVRINHOS DE AÇÃO
Os Livrinhos de Ação estimulam a compreensão da leitura de frases e fixam as ações estudadas no vocabulário da turma.
livroacao.jpg (29150 bytes)
memoria.jpg (28178 bytes)
JOGOS DE LEITURA
O jogo da memória é um dos variados tipos de jogos que facilitam a memorização das palavras do vocabulário escolhido. Os jogos são sempre oferecidos como uma das atividades do trabalho diversificado de livre escolha dos alunos.
A RODINHA
Todas as atividades  do grupo são discutidas e combinadas em uma rodinha de conversa onde o educador funciona como mediador na construção do conhecimento e como um coordenador das motivações de seu grupo. Todas as decisões são tomadas aqui.
rodinha.jpg (45354 bytes)
A   CAÇADA
A caçada é um procedimento de rotina na análise fonética de palavras lembradas pelos alunos, segundo a semelhança do som inicial com o de outra palavra já conhecida visualmente por eles, no caso, o Dd, de dinossauro. Eles procuraram, em revistas, gravuras de palavras que começassem de forma semelhante; colaram estas gravuras sobre uma folha grande, que foi colocada num cabide e pendurada na parede. Um aluno, de cada vez, enunciou o nome da sua gravura, enquanto a professora a escrevia. Depois, a palavra foi lida pelo aluno, de forma lenta, fazendo a "preguicinha". Numa segunda leitura, ele destaca, com uma linha vermelha, "caçando", e copia a letra do som que estava sendo estudado, o d de dinossauro.
CAÇADINHAS
Material de estudo independente para fixação de grafias específicas.
Uma caixa plástica acondiciona uma coleção de fichas que apresentam relações de palavrinhas começadas pelo som inicial de uma palavra conhecida. Uma pequena gravura, colada ao alto, evoca o significado da primeira palavra. O aluno usa estas "caçadinhas" de diferentes maneiras na composição de frases.
wpe1.jpg (37926 bytes)
wpe2.jpg (47102 bytes)
ATIVIDADES DE  CAÇADA
Uma das atividades da sala é realizar os exercícios do livro "Minhas Caçadas".
SABONETEIRAS DE CAÇADA
Material para estudo independente cujo objetivo é a ortografia. Cada saboneteira acondiciona uma coleção de palavras com o mesmo som inicial, destacado pela cor vermelha
wpe5.jpg (35876 bytes)
wpe3.jpg (29263 bytes)
AS CIÊNCIAS
A Alfabetização Natural não ocorre no vazio, ela está integrada ao estudo do meio ambiente e é a vida, ao redor do aluno, que gera os motivos de estudo, que são registrados, por escrito, depois de estudados.
Deseja conhecer esta escola ?
 clique e conheça a

Parcerias Especiais!

http://www.contosearte.com/

Virginia Maria Pereira da Rocha


http://www.pedagogiadascores.com.br/

Solange Depera Gelles



EU em ENTREVISTA- Educadores Multiplicadores!

Arquivo de POSTAGENS:

Mimo no BONIFRATI...



Usando a criatividade,
todo mundo pode pensar diferente.
Que 2 + 2 são dois patinhos.
E até detrás para frente.
Se permitir criar,
Tudo pode mudar.

Seja arte, escrita, música.
Receita, caminho, solução.
O que importa é pôr a mente para funcionar
e dar à luz a imaginação

Melhor ainda, se arriscar.
Tomar coragem e compartilhar.
Deixar vir ao mundo e ao mundo mostrar.

Nada que fica na gaveta,
pode trazer boas coisas para o planeta

Abra a sua caixa secreta.
E mergulhe na mente, a sua biblioteca.
Criar é concretizar ideias.

Linguagem Escrita!

"...a escrita deve ter significado para as crianças, uma necessidade intrínsica deve ser despertada. Nelas, a escrita deve ser incorporada a uma tarefa necessária e relevante para a vida. Só então poderemos estar certos de que ela se desenvolverá não como hábito de mão e dedos, mas como uma forma nova e complexa de linguagem".
Vygotsky.

Professores!

A arte torna o trabalho educativo interessante, atraente e sedutor. Para tornar os alunos mais sensíveis e despertá-los para um mundo novo de sensações, o talento e a flexibilidade do professor, da sua arte, dependerá o êxito da sua missão.

Alegria....alegria!

ALFABETIZAÇÃO

O processo de alfabetizar é apaixonante,
antes de tudo é um ato de amor,
coragem e persistência. Pelo simples e
talvez o mais gratificante fato
de permitir ao ser pensante a liberdade
de construção da sua própria história.






CONSULTE o IDEB 2014.É só clicar no selinho ou no link.Conte comigo!

SELINHOS 2012! Obrigada!

Da amiga Leila Bambino!

Glitter Photos
Ganhei da amiga Claudia! Obrigada.
Glitter Photos
Da amiga GISELA.Obrigada!
Da amiga Viviane,Obrigada!
SELINHO A RECEBER... selo4 Glitter Photos Glitter Photos
Selinho pra você!Glitter PhotosSelinho Amigo a todos os Parceiros do Blog "Educando Com Amor"...
Selinho Compartilhado
da Parceira BIA!
Espaço para Educação
Obrigada Amiga Gracita!
Obrigada Amiga Adriana!

Seguir por e-mail

Torcedora FELIZ! Bom D +!

TORCEDORA APAIXONADA!

Vida Divina! Vida Cotidiana!

Kids
See full size image Imagem15 300x183 A ESCOLA DE ATENÇÃO ÀS DIFFERENÇAS

Orar...refletir...imagens que dizem!

ORAÇÃO pela Saúde:
Senhor Deus de amor,Pai de bondade,nós vos louvamos e agradecemospelo dom da vida,pelo amor com que cuidais de toda a criação.Vosso Filho Jesus Cristo,em sua misericórdia, assumiu a cruz dos enfermos e de todos os sofredores,sobre eles derramou a esperança de vida em plenitude.Enviai-nos, Senhor, o Vosso Espírito.Guiai a vossa Igreja, para que ela, pela conversão se faça sempre mais, solidária às dores e enfermidades do povo,e que a saúde se difunda sobre a Terra.Amém.






Gratidão e Interação!