quinta-feira, fevereiro 28, 2013

Alfabetização/Escola e Família

Muitas vezes o processo de alfabetização não acontece de uma maneira tranquila e natural. Quando isto ocorre e o tempo vai passando, a pressão sobre a criança torna-se um fator complicador. Os adultos, familiares, professores, e até amigos voltam sua atenção para a aquisição da leitura e da escrita, fazendo cobranças, comparações, muitas vezes com a melhor das intenções. Neste artigo procuro dar algumas dicas para os pais baseado na minha experiência. Sintam-se à vontade para comentar e acrescentar sugestões.

Em primeiro lugar gostaria de salientar que não há método ideal, o melhor método é aquele que o professor e a escola confiam e estão acostumados a trabalhar. Nem sempre este método está de acordo com as concepções de alfabetização dos pais, por isso uma boa conversa com a escola é o primeiro passo para acertar.
Em segundo lugar, acabar com a pressão. Não existe criança preguiçosa. A “preguiça” pode ser um sinal de dificuldade.
É importante lembrar que cabe aos professores o papel da alfabetização, eles são profissionais preparados para isto. 


Há muitas coisas que os pais podem fazer para ajudar, mas sem pressionar ou entrar em pânico.Entre elas:
Tornar o contato com a leitura e a escrita prazeroso, misterioso – ler para a criança, contar histórias, ler na frente das crianças (os pais que têm hábito de leitura têm mais chance de desenvolver o hábito de leitura nos filhos);
Disponibilizar material – comprar revistas, gibi, livros. É importante que tenham muitas gravuras e pouco texto. Com o tempo a criança se interessará pelo texto, mas é normal que o interesse inicie pelas figuras;
Estimular a leitura gestáltica – a leitura começa pela leitura da palavra como uma imagem, como um todo, pelas cores, tipo de letra, etc. As crianças desde pequenas fazem este tipo de leitura quando reconhecem o Mac Donald´s, a Coca-cola, etc. Estimular a leitura gestáltica favorece o contato com a língua escrita. Isto pode ser feito no supermercado, em casa, na rua, nos outdoors, etc, como uma brincadeira, lendo para ela os nomes e pedindo que ela “leia” também. Muitas vezes esta “leitura” se dará pelo uso do produto ou por uma “adivinhação”, mas é assim que começa.
Estimular o desenho, a pintura, o contato com diferentes materiais (não só na hora do dever de casa, mas como uma brincadeira em diferentes momentos) Sentar para desenhar junto e “brincar de escrever”.
Jogar jogos. Jogo da memória é excelente para ajudar na alfabetização. A criança identifica os iguais e os diferentes, a posição das peças, memoriza visualmente as peças, etc. Outros jogos: dominó, dama, quebra-cabeça, ludo.
O importante é sempre fazer de forma agradável e divertida, para que a criança goste de aprender, goste de ler, goste de escrever. Se for feito desta forma, vale qualquer coisa!
As dicas servem para crianças de todas as idades. Quanto mais cedo se começar menos marcada será a passagem do “não alfabetizado” para o “alfabetizado”, momento que é tão cobrado em nossa sociedade e por isso às vezes sofrido. Ao mesmo tempo, nunca é tarde para começar.

quarta-feira, fevereiro 27, 2013

PACTO na EDUCAÇÃO!ModismoXRealidade

Olá pessoal!

As escolas já estão informando sobre este programa de ALFABETIZAÇÃO PARA TODOS na IDADE CERTA.Sei que esta proposta tem o intuito de mobilizar toda uma comunidade escolar e gestora a nível de federação,estado e município.
Conforme o texto abaixo a proposta para conhecimento é bem-vinda.
Antes quero deixar minhas inquietações e reflexões para compartilhar com vocês.
Penso que a palavra PACTO não agrada a todos, ou pela expressão ou forma de conduzir. Na  perspectiva de seu significado consta em dicionário como: acordo ; trato ; compromisso, entre pessoas, grupos ou países; combinação ; convenção ;tratado.Então penso de imediato que a proposta é de compromisso pela alfabetização para todos.

Alfabetização de qualidade  já acontece na maioria de nossas cidades brasileiras. Sei de uma grande maioria de Professores dedicados e comprometidos, trabalhando sem limites de horários para confecção de materiais diversos, com leituras e pesquisas.
Quando a Alfabetização não ocorre vai além de formação e dedicação de professores. Todo ensino requer escolas bem equipadas, prédios e instalações boas e  adequadas. Aqui em Santa Catarina, a nível estadual muitos prédios e instalações das escolas estão precários.Algumas até interditadas sem uso, esperando reformas e ajustes do governo.A que ponto se chega.


Por este olhar acredito que primeiramente deveria se promover um  PACTO por escolas bem estruturadas e equipadas, com manutenção periódica. Isso que precisamos com urgência em nosso país.
Outro fator preponderante é o LETRAMENTO.
Como ocorre em nossas comunidades?
Nossos crianças e jovens tem acesso e modelo de leitura em casa?
Os pais e demais familiares na sua grande maioria têm poder aquisitivo de acordo para aquisição de bons materiais de leitura? 
Como está o investimento e o incentivo para os cidadãos se apropriarem de espaços coletivos públicos de qualidade,estimulando ao ato de ler,seja um jornal,um gibi,um livro de receitas, um livro de literatura, enfim,uma infinidade de opções literárias.
Que tal fazer um chamado e lançar um pacto de leitura nacional?
Penso que não basta formar somente professores.Temos que acolher, incentivar e facilitar a todos o acesso à leitura e seus benefícios. Nossa cultura,progresso e ensino agradeceriam muito, com certeza.Pensemos com carinho.

ALFABETIZAR vai além de três anos!É um processo contínuo ao longo do ensino que envolve seu entorno físico, administrativo,pedagógico e  todos os professores do ensino fundamental.

Rosangela Vali(Pedagoga e Psicopedagoga)

Conheça a seguir  um pouco do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa.
Por Mariana Mandelli
http://www.todospelaeducacao.org.br



Alfabetizar todas as crianças brasileiras até os 8 anos de idade ao fim do 3º ano do Ensino Fundamental. É esta a principal meta do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, lançado pelo Ministério da Educação (MEC) na semana passada e que pretende envolver o País num grande esforço educacional para que o objetivo seja cumprido.
O Pacto é um compromisso firmado entre a União e municípios e Estados interessados em aderir (leia mais abaixo). Ao todo, 5.270 municípios e todas as unidades da Federação aderiram. Durante a cerimônia de lançamento, a presidente Dilma Rousseff assinou medida provisória para garantir apoio técnico e financeiro da União aos entes federados. Em breve, o projeto ser tornará lei.
Todos os custos do Pacto ficam a cargo da União. O investimento total será de 2,7 bilhões de reais – 1,1 bilhão no ano que vem e o restante, em 2014. Ao aderir, o ente federado, além de se comprometer, deve atuar em quatro frentes em suas redes de ensino: formação dos professores alfabetizadores; fornecimento de materiais didáticos; avaliação da alfabetização e também gestão e mobilização. O MEC também afirma que vai premiar as escolas com melhores resultados – a verba destinada para isso será de R$ 500 milhões.
Metas

A alfabetização até os 8 anos é a meta 5 do Plano Nacional de Educação (PNE), que tramita no Senado. O assunto também é a Meta 2 do movimento Todos Pela Educação.
A idade foi estipulada, segundo o ministério, por significar o fim do ciclo de alfabetização, que dura os três primeiros anos do Ensino Fundamental. “A definição do ciclo vem de muito tempo no Brasil – teve início há mais de 20 anos, com as primeiras experiências em São Paulo, quando foi criado o ciclo básico”, afirma Cesar Callegari, secretário de Educação Básica do governo federal. “No estabelecimento do Ensino Fundamental de 9 anos, o Conselho Nacional de Educação fez questão de considerar que o 1º ano não deveria ter a alfabetização como objetivo, já que ela é um processo.”
De acordo com Callegari, o Plano de desenvolvimento da Educação (PDE) e as diretrizes curriculares nacionais do Ensino Fundamental também consideram os três primeiros anos da etapa como o ciclo de alfabetização. Ele também destaca que o programa de formação dos professores alfabetizadores tem um roteiro “claro que não ignora as diferenças entre as crianças”. “Tenho convicção que o pacto será efeito para atingirmos as metas do PNE”, afirma.
Ainda segundo o secretário, o Pacto já tem mais de 5 mil orientadores de estudos inscritos. As universidades começarão a capacitá-los no próximo mês.
Os direitos de aprendizagem para o ciclo de alfabetização, que estabelecem as habilidades e conhecimentos que as crianças devem ter adquirido ao fim da etapa, estão em discussão no MEC e devem chegar ao CNE até o final deste ano.
Diagnóstico 

O Brasil tem hoje 8 milhões de crianças de 6, 7 e 8 anos de idade matriculadas em 108 mil escolas distribuídas por todo o território.
De acordo com o ministério, os dados do Censo 2010 revelam que a média nacional de crianças não alfabetizadas aos oito anos no País é de 15,2%. No entanto, os índices variam muito. Por exemplo, enquanto o Paraná tem 4,9%, Alagoas atinge 35%.
Em 2011, mais dados revelaram a importância de se avaliar o nível de alfabetização das crianças. A Prova ABC (Avaliação Brasileira do Final do Ciclo de Alfabetização), uma parceria do Todos Pela Educação com o Instituto Paulo Montenegro/Ibope, Fundação Cesgranrio e Inep, mostrou que apenas metade das crianças que concluíram o 3º ano (2ª série) aprenderam o que era esperado no período. Em leitura, a porcentagem exata é de 56,1% e em matemática, de 42,8%. Também houve grande variação entre as regiões brasileiras e entre as redes particular e pública de ensino. A avaliação foi aplicada em 6 mil escolas em todas as capitais.
Entenda como funciona o pacto
Quem pode aderir?

Estados e municípios. Todos os estados e os 5.270 municípios já aderiram.
Escolas rurais estão incluídas?

Sim. Todas as escolas de Educação Básica podem participar do pacto.
Quais são os compromissos que os entes federados assumem ao aderir ao pacto?

São, essencialmente, três: alfabetizar todas as crianças em língua portuguesa e em matemática; realizar avaliações anuais universais, aplicadas pelo Inep, junto aos concluintes do 3º ano do Ensino Fundamental e, no caso específico dos estados, apoiar os municípios que tenham aderido.
Qual o papel de cada ente federado?

A União, representada pelo MEC, deve promover, em parceria com universidades, os cursos de formação de professores e orientadores de estudo; conceder bolsas de apoio a eles; oferecer materiais didáticos; aplicar as avaliações e distribuir a Provinha Brasil para aplicação.
Municípios e Estados têm atribuições parecidas. São elas: gerenciar e monitorar a implementação das ações; promover a participação das escolas nas avaliações externas; aplicar a Provinha Brasil; garantir a participação dos professores alfabetizadores nas atividades de formação; indicar orientadores de estudo e custear o deslocamento e a sua hospedagem para os eventos de formação; designar coordenadores para as ações do programa; disponibilizar assistência técnica às escolas e, por fim, promover a articulação do pacto com o Mais Educação, programa de Educação integral do MEC.
Deve-se ressaltar que os Estados devem apoiar os municípios nas ações do pacto.
Quais são as ações estratégicas do pacto?


As ações estão divididas em quatro frentes:

- Formação dos professores alfabetizadores

O curso será presencial, com duração de dois anos – carga horária de 120 horas anuais, de acordo com o Programa Pró-Letramento. Quem comandará os encontros entre os docentes serão os orientadores de estudo. Esses orientadores, que são professores das redes de ensino, terão de fazer um curso específico de 200 horas anuais em universidades públicas que participam do pacto. O MEC recomenda que eles sejam escolhidos entre os tutores do Pró-Letramento.
- Fornecimento de materiais didáticos

São livros didáticos, manuais do professor, obras pedagógicas complementares e acervos de dicionários de língua portuguesa que serão oferecidos por meio do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). As obras de referência de literatura e de pesquisa serão entregues pelo Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE)
Também haverá jogos pedagógicos de apoio à alfabetização; obras de apoio pedagógico aos docentes e tecnologias educacionais de apoio.
O material oferecido será de acordo com a quantidade de turmas de alfabetização na unidade de ensino.
- Avaliação

Serão três medidas nesse âmbito. A avaliação processual, por exemplo, será discutida nos curso de formação. Ela pode ser realizada pelo docente em sala de aula, de forma interna.
Também haverá um sistema informatizado para inserir os resultados da Provinha Brasil de cada criança, o que deve ser feito pelos professores – antes, os resultados ficavam conhecidos apenas dentro da escola.
Por fim, o Inep vai aplicar em todas as turmas de concluintes do 3º ano, uma avaliação externa universal. A ideia é medir o nível de alfabetização ao final do ciclo. A responsabilidade – e, portanto, os custos – é do MEC. As provas começam no ano que vem e os resultados só estarão disponíveis a partir de 2014.
- Gestão e mobilização

O pacto pretende formar um arranjo institucional para ser gerido. São quatro frentes: comitê gestor nacional; coordenação institucional em cada estado; coordenação estadual e coordenação municipal (as duas últimas monitoram e acompanham as ações do programa em suas redes).
O MEC pretende premiar as escolas e docentes com os melhores resultados. O edital será publicado no ano que vem.


Como a sociedade pode participar?
Informando-se sobre o andamento do pacto em sua cidade ou Estado, principalmente. De acordo com o MEC, os municípios e Estados devem divulgar todos os passos das ações do pacto.


sexta-feira, fevereiro 22, 2013

Repaginar e continuar!


Olá pessoal!
Repaginando o blog.
Renovação é importante.É essencial!
Por isso uma nova e simples recomposição.
Detalhes simples, informação, organização e praticidade.
É isso que quero.
Refazer para se  sentir bem.
Assim estou!
Sintonia 100%!
Que bom contar com a blogosfera!

Aqui deixo alguns mimos para alegrar o seu dia!
Um abraço,Rosangela.














domingo, fevereiro 17, 2013

Campanha/Projeto de Valores:GENTILEZA!UM ATO DE AMOR

Neste ano quero contribuir mais e fazer a minha parte+ação.
Sensibilizar, motivar e tornar realidade ações simples em campanha de Gentileza por um MUNDO melhor.
O mundo começa nos nossos espaços e podem se espalhar para outros cantos.Por isso quero na Escola, ambiente de Trabalho promover com os aprendizes, professores, funcionários, pais, para quem quiser e se sentir tocado para juntos formarmos uma corrente maior e forte  de amor de uns pelos outros.Afinal, gentileza é um ato de amor.


Estou sintonizando referências de blogs, livros, pessoas, artistas, etc.
Reunir material e elaborar um projeto é o meu objetivo maior.Ter a participação de todos também.Fazer pesquisa de campo é fundamental.
Vou à busca e quero sua contribuição se assim desejar fazê-lo aqui.
Deixe sua opinião,sua sugestão, seu parecer,etc.
As etapas do projeto irão ser postadas gradativamente por partes aqui no BLOG.
Entre em sintonia, divulgue a gentileza.Sinta-se parceiro.
Conte comigo!
Um abraço, Rosangela Vali (Pedagoga e Psicopedagoga)

LIVRO: A Arte da Gentileza

Segundo o livro A arte da gentileza, de Piero Ferruci (ed. Alegro),pesquisas científicas confirmam que pessoas gentis são mais saudáveis e vivem mais, são mais amadas e produtivas, têm mais sucesso nos negócios e são mais felizes. ''Ser gentil nos faz tão bem quanto ser alvo de uma gentileza'', garante o autor.


Por outro lado, a não-gentileza gera sentimentos negativos, atrapalha as relações e pode até deixar a pessoa doente, já que quando alguém é alvo de grosseria, falta de educação, o sistema nervoso reage liberando hormônios como a adrenalina, que desequilibram o organismo. Até a musculatura é afetada e reage à falta de gentileza se contraindo, deixando o corpo cada vez mais tenso. 
''A falta de gentileza, caracterizada por um ambiente de grosseria e violência, se constitui em um fator estressor que leva o indivíduo ao desenvolvimento do estresse crônico. 

O que a ciência agora comprova vai ao encontro do que o profeta Gentileza passou grande parte da vida pregando e escrevendo nos 55 murais que criou sob o viaduto do Gasômetro, próximo à Rodoviária Novo Rio. Sua mensagem podia ser resumida na frase-síntese ''gentileza gera gentileza''. 
Os murais, restaurados há cinco anos pelo projeto Rio com Gentileza, coordenado pelo filósofo Leonardo Guelman, hoje se encontram de novo danificados por pichações logo abaixo das inscrições do profeta. Mais ou menos como a própria gentileza, tão fora de moda nos dias que correm. 
''O Gentileza denunciava uma crise ética, de valores. Segundo ele, tudo passa pelo favor. O simples fato de pedirmos 'por favor' e agradecer com um 'obrigado' denotava que adotamos a troca na base do toma-lá-dá-cá, típico do mundo individualista, produto do capitalismo que ele batizou de 'capeta capital''', afirma Guelman, autor do livro Brasil, tempo de gentileza (Eduff), sobre o profeta que morreu aos 79 anos, em 1996. Para o profeta, ficamos cegos e surdos e perdemos a capacidade de ver e ouvir o outro. Segundo a psicoterapeuta e educadora Sandra Celano, o pronome nós, nesse mundo tão individualista, agrega no máximo o núcleo familiar. ''Então, como esperar que um seja gentil com o outro em pequenas ações cotidianas, se as pessoas não conseguem nem perceber o outro?'', questiona. Até em uma discussão é possível manter a gentileza. ''Basta prestar atenção ao que a outra pessoa diz e se expressar considerando suas razões e seu ponto de vista'', completa Sandra, que observa em seu consultório o crescimento da falta de gentileza como uma das queixas comuns de seus pacientes. 

Um dos ambientes onde a falta de delicadeza e gentileza mais se manifesta é no local de trabalho. Muitas vezes, as pessoas confundem relações profissionais com frieza e rispidez. E deixam de agradecer um serviço só porque este está sendo pago. 


Como todo profeta, Gentileza denunciava a crise e anunciava uma boa nova. Para ele, assim como a natureza nos dá tudo de graça, temos que retomar um tempo a troca desinteressada. O primeiro passo seria bem simples: dizer sempre 'agradecido' e 'por gentileza', em vez das fórmulas consagradas - que já foram esquecidas por muita gente, porém sem nenhuma substituição. 
Uma das pessoas que foram tocadas pela obra de Gentileza foi a compositora Marisa Monte, que transformou alguns de seus versos em uma canção com o nome do profeta. Marisa fez a música no dia em que foi apresentar os murais ao parceiro Carlinhos Brown, antes do projeto de recuperação, e viu que não havia mais nada. Chocada, escreveu a música.

Apagaram tudo
Pintaram tudo de cinza
A palavra no muro
Ficou coberta de tinta
Apagaram tudo
Pintaram tudo de cinza
Só ficou no muro
Tristeza e tinta fresca
Nós que passamos apressados
Pelas ruas da cidade
Merecemos ler as letras
E as palavras de Gentileza
Por isso eu pergunto
À você no mundo
Se é mais inteligente
O livro ou a sabedoria

A cantora acha que a mensagem de Gentileza está cada vez mais atual. 
''Com o ritmo acelerado das cidades, as pessoas estão perdendo a noção de gentileza, que é uma espécie de pureza refrescante para a vida, para o dia-a-dia.'' Ainda hoje, ela se comove em ver que alguém dedicou sua vida para falar da importância de ser gentil, e em vez de pedir dinheiro, ia de carro em carro oferecer uma flor. ''Ele foi uma pessoa linda que plantou a semente da gentileza.'' 

Buda também identificou alguns benefícios de se cultivar a gentileza, como dormir bem, ser amado, ter proteção dos seres divinos, e uma mente serena. De nada adianta, no entanto, começar a ser gentil para obter tais resultados e melhora da qualidade de vida, pois falsidade é algo diametralmente oposto à proposta. E, por princípio, a gentileza é necessariamente desinteressada. Como o escritor britânico Aldous Huxley afirmou, no fim da vida. ''É desconcertante que, após anos e anos de pesquisas e experimentações, eu tenha que dizer que a melhor técnica para transformar nossas vidas seja ser mais gentil''. 
Algo bastante urgente de ser lembrado nos dias de hoje. Pois se gentileza gera gentileza, a sua falta só pode produzir uma carência ainda maior, daí o cenário aterrador de um mundo de rispidez e impaciência, e seus assustadores índices de violência - não como causa única, evidentemente.

''A falta de gentileza e a hostilidade nas relações podem contribuir para um mundo estressante, na medida em que essas atitudes são contagiosas. Violência gera violência, hostilidade gera hostilidade, raiva gera raiva'', acredita a psicóloga Lúcia Novaes. Por outro lado, diz ela, o mundo estressado, com tantas demandas, com a necessidade de se fazer cada vez mais coisas em menos tempo e mais perfeitas abre espaço para atitudes agressivas, raivosas e hostis. ''É um círculo vicioso.'' 

''Se ele estivesse entre nós, continuaria pregando a gentileza, já que seu avesso, a rudeza e a violência, infelizmente não saíram de moda'', acredita Guelman

A importância de se adotar a atitude no cotidiano é bem expressada pelo teólogo Leonardo Boff, em artigo intitulado ''Espírito de Gentileza'' (disponível na íntegra no site leonardoboff.com). 
''Este espírito nunca ganhou centralidade, por isso somos tão vazios e violentos. Hoje ele é urgente. Ou seremos gentis e cuidantes ou nos entredevoraremos.'' 
È isso que precisamos em nossa vida, de sermos gentios para com nossos irmãos, só assim poderemos viver em um mundo mais habitável, alegre e sem essa violência , num mundo onde não há regras e ninguém mais tem respeito pelo seu próximo...
A gentileza faz bem pra você, para o outro e para nosso Espírito!


Referências de Fontes:
Imagens Net
Livraria ZURA
Letras de Música NET
Mensagens ORKUT
http://isabellebergamin.blogspot.com.br

quinta-feira, fevereiro 14, 2013

Leituras/Formação Continuada

Hoje ao iniciar o ano letivo na escola, todos os funcionários foram acolhidos e agraciados com um belo e gostoso café da manhã.Direção nova,gente nova,gente de sempre.
Que bom estarmos de volta!
Trabalhar no coletivo, com união, companheirismo, motivação, comunicação, projetos e formação pedagógica são algumas das expectativas para este ano letivo.
Que Deus abençoe nosso trabalho!
Por falar em formação, há varias áreas e temas que podemos estar abordando.
Encontrei hoje no FACEBOOK  da página Diário de Classe, a qual recomendo para professores e afins, uma bela e atual dica de leitura, livro de IÇAMI TIBA: Pais e Educadores de Alta Performance”, lançamento da Integrare Editora, obra que propõe de uma maneira clara e eficaz uma conduta educacional equilibrada, atribuindo a devida responsabilidade a pais e educadores na formação de seres humanos competentes, éticos e felizes.

O livro se mostra leitura obrigatória para pais e professores atentos à necessidade da formação educacional no século XXI. 

“Neste livro, organizei todo o meu aprendizado. Estudos foram aliados à minha experiência como consultor de família, psicoterapeuta de adolescentes e atividades com escolas. O objetivo é oferecer aos leitores as melhores ações educativas, viáveis e de fácil aplicação que já alcançaram excelentes resultados na prática”, ressalta Tiba.

Recomendo também outras leituras que já fiz,do mesmo autor que muito podem  vir a  contribuir na educação de filhos e alunos.Procure na  biblioteca de sua escola, de sua comunidade.As vezes temos no acervo e não sabemos.Vale pesquisar.

   
Um abraço e boa leitura/formação!

Conheça um pouquinho mais de IÇAMI TIBA/Pensamentos e Falas




terça-feira, fevereiro 12, 2013

Escola com Marcas Positivas!

A garotada, os professores, os funcionários, os colaboradores, enfim todos que diretamente ou indiretamente fazem parte do cotidiano escolar 
se encaminham para mais um ano letivo.
As emoções, as expectativas, aquele friozinho na barriga, 
como se fosse tudo pela primeira vez, 
para alguns é...
...olá...lá!Quanta emoção! 
Crescimento,desenvolvimento,conflitos,
 acertos, parcerias,projetos.
Planos, metas,avaliações,reavaliações,
 ânimos e desânimos.
Investimentos,recursos, estratégias, 
diálogos, registros, ufa...
Escola tem que se fazer escola.
É ponto de referência para uma comunidade.
Lembremos disso!
O papel da escola é de informar e também formar.
Saibamos nossa missão de professores e educadores.
Afinal escolhemos e trabalhamos na  e
 pela Educação com qualidade.
Este deve ser nosso compromisso maior, 
independente  dos entraves 
políticos e sociais que há e sempre existirão.
Tirar de letra.Sempre avante, sem esmorecer 
e mostrar que a Educação pode e deve fazer 
a diferença em nossa sociedade.
Temos que mostrar o resultado de nossas 
competências e por ele 
sermos validados e reconhecidos.
Saibamos plantar para colher. 
Nossa missão é nobre e se perpetua na memória 
de nossos aprendizes ao longo da vida.
Nossas crianças, jovens e adultos 
serão eternamente gratos!

Deixemos marcas positivas!
Viva a Escola!
Sucesso para todos nós!

Com carinho, Rosangela L. S. Vali 
(Pedagoga e Psicopedagoga)

Parcerias Especiais!

http://www.contosearte.com/

Virginia Maria Pereira da Rocha


http://www.pedagogiadascores.com.br/

Solange Depera Gelles



EU em ENTREVISTA- Educadores Multiplicadores!

Arquivo de POSTAGENS:

Mimo no BONIFRATI...



Usando a criatividade,
todo mundo pode pensar diferente.
Que 2 + 2 são dois patinhos.
E até detrás para frente.
Se permitir criar,
Tudo pode mudar.

Seja arte, escrita, música.
Receita, caminho, solução.
O que importa é pôr a mente para funcionar
e dar à luz a imaginação

Melhor ainda, se arriscar.
Tomar coragem e compartilhar.
Deixar vir ao mundo e ao mundo mostrar.

Nada que fica na gaveta,
pode trazer boas coisas para o planeta

Abra a sua caixa secreta.
E mergulhe na mente, a sua biblioteca.
Criar é concretizar ideias.

Linguagem Escrita!

"...a escrita deve ter significado para as crianças, uma necessidade intrínsica deve ser despertada. Nelas, a escrita deve ser incorporada a uma tarefa necessária e relevante para a vida. Só então poderemos estar certos de que ela se desenvolverá não como hábito de mão e dedos, mas como uma forma nova e complexa de linguagem".
Vygotsky.

Professores!

A arte torna o trabalho educativo interessante, atraente e sedutor. Para tornar os alunos mais sensíveis e despertá-los para um mundo novo de sensações, o talento e a flexibilidade do professor, da sua arte, dependerá o êxito da sua missão.

Alegria....alegria!

ALFABETIZAÇÃO

O processo de alfabetizar é apaixonante,
antes de tudo é um ato de amor,
coragem e persistência. Pelo simples e
talvez o mais gratificante fato
de permitir ao ser pensante a liberdade
de construção da sua própria história.






CONSULTE o IDEB 2014.É só clicar no selinho ou no link.Conte comigo!

SELINHOS 2012! Obrigada!

Da amiga Leila Bambino!

Glitter Photos
Ganhei da amiga Claudia! Obrigada.
Glitter Photos
Da amiga GISELA.Obrigada!
Da amiga Viviane,Obrigada!
SELINHO A RECEBER... selo4 Glitter Photos Glitter Photos
Selinho pra você!Glitter PhotosSelinho Amigo a todos os Parceiros do Blog "Educando Com Amor"...
Selinho Compartilhado
da Parceira BIA!
Espaço para Educação
Obrigada Amiga Gracita!
Obrigada Amiga Adriana!

Seguir por e-mail

Torcedora FELIZ! Bom D +!

TORCEDORA APAIXONADA!

Vida Divina! Vida Cotidiana!

Kids
See full size image Imagem15 300x183 A ESCOLA DE ATENÇÃO ÀS DIFFERENÇAS

Orar...refletir...imagens que dizem!

ORAÇÃO pela Saúde:
Senhor Deus de amor,Pai de bondade,nós vos louvamos e agradecemospelo dom da vida,pelo amor com que cuidais de toda a criação.Vosso Filho Jesus Cristo,em sua misericórdia, assumiu a cruz dos enfermos e de todos os sofredores,sobre eles derramou a esperança de vida em plenitude.Enviai-nos, Senhor, o Vosso Espírito.Guiai a vossa Igreja, para que ela, pela conversão se faça sempre mais, solidária às dores e enfermidades do povo,e que a saúde se difunda sobre a Terra.Amém.






Gratidão e Interação!